imagem alusiva a Tirem-me os deuses

Tirem-me os deuses

PoetMi.com

Tirem-me os deuses

Tirem-me os deuses


Em seu arbítrio


Superior e urdido às escondidas


O Amor, glória e riqueza.



Tirem, mas deixem-me,


Deixem-me apenas


A consciência lúcida e solene


Das coisas e dos seres.



Pouco me importa


Amor ou glória.


A riqueza é um metal, a glória é um eco


E o amor uma sombra.



Mas a concisa


Atenção dada


Às formas e às maneiras dos objectos


Tem abrigo seguro.



Seus fundamentos


São todo o mundo,


Seu amor é o plácido Universo,


Sua riqueza a vida.



A sua glória


É a suprema


Certeza da solene e clara posse


Das formas dos objectos.



O resto passa,


E teme a morte.


Só nada teme ou sofre a visão clara


E inútil do Universo.



Essa a si basta,


Nada deseja


Salvo o orgulho de ver sempre claro


Até deixar de ver.




06/06/1915

Ricardo Reis in Odes de Ricardo Reis


No poetmi desde

Avatar do autor do poema

Ricardo Reis

Ricardo Reis, um dos diversos heterônimos do escritor português Fernando Pessoa. Segundo seu criador, ele nasceu em 1887, em Portugal, mas se exilou no Brasil a partir de 1919. Monarquista, epicurista, partidário do estoicismo e do paganismo, sua poesia possui traços neoclássicos e tem como principal temática a efemeridade da vida.