imagem alusiva a SAUDAÇÃO A WALT WHITMAN [b]

SAUDAÇÃO A WALT WHITMAN [b]

PoetMi.com

SAUDAÇÃO A WALT WHITMAN [b]

SAUDAÇÃO A WALT WHITMAN


Portugal — Infinito, onze de Junho de 1915

Hé lá, á — á — á — á!

De aqui, de Portugal, de onde a Europa olha a América,

De onde tu teres existido é um efeito complexo,

Consciente de estar à vista, no palco para a plateia que é no auge.

Saúdo-te deliberadamente, saúdo-te

Desde o princípio de te saudar, como é próprio de ti.


Hé-lá Walt, old boy, meu velho arado das almas,

Hé-lá meu condottiere da sensualidade autêntica

Pirata do teu próprio génio,

Filho-pródigo da tua inspiração!


Ó sempre moderno e eterno; cantor dos concretos absolutos

Concubina fogosamente [...] do universo disperso,

Grande pederasta roçando-te pela diversidade das coisas,

Sexualidade... etc.


Tu, o homem-mulher-criança-natureza-máquinas!

Tu, o p'ra-dentro, tu o p'ra-fora, tu o ao-lado de tudo!

Fulcro-sensualidade ao serviço do infinito, escada

Até não haver fim a subir, — e subir!


Saúdo-te e chamo

A tomar parte em mim na saudação que te faço

Tudo quanto cantaste ou desejaste cantar.

Ervas, árvores, flores, a natureza dos campos...

Homens, lutas, tratados — a natureza das almas...

Os artifícios, que dão sabor ao que não é artifício

As coisas naturais que valem sem valor dado,

As profissões com que o homem se interessa por ter vontade

As grandes ambições, as grandes raivas, as pálpebras

Descidas sobre a inutilidade metafísica de viver...

Chamo a mim, para os levar até ti,

Como a mãe chama a criança para a sentir ser

A totalidade dispersa do que interessa ao mundo...

Ah, que nada me fique de fora das algibeiras

Quando vou procurar-te.

Que nada me esqueça, se te saúdo, que nada

Falte, nem o faltar esqueça,

Porque faltar é uma coisa — faltar.


Vá! Vá! Tudo! O natural e o humano!

Vá, o que parte! vá, o que fica! vá o que lembra e o que esquece!

Tu tens direito a ser saudado por tudo

E eu, porque o vejo,

Tenho o direito a encanar a voz em tudo saudar-te

Álvaro de Campos in Poesias de Álvaro de Campos


No poetmi desde

Avatar do autor do poema

Álvaro de Campos

O Poeta Álvaro de Campos é um dos mais importantes heterônimos de Fernando Pessoa. Segundo Fernando Pessoa nasceu em Tavira, no extremo sul de Portugal. Estudou Engenharia Naval, na Escócia. No entanto, não exerceu a profissão por não poder suportar viver confinado em escritórios.