imagem alusiva a Não há abismos!

Não há abismos!

PoetMi.com

Não há abismos!

Da casa do monte, símbolo eterno e perfeito,

Vejo os campos, os campos todos,

E eu os saúdo por fim com a voz verdadeira,

Eu lhes dou vivas, chorando, com as lágrimas certas e os vivas exactos —

Eu os aperto a meu peito, como filho que encontrasse o pai perdido.


Vivam, vivam, vivam

Os montes, e a planície, e as ervas!

Vivam os rios, vivam as fontes!

Vivam as flores, e as árvores, e as pedras!

Vivam os entes vivos e os bichos pequenos,

Os bichos que correm, insectos e aves,

Os animais todos, tão reais sem mim,

Os homens, as mulheres, as crianças,

As famílias, e as não-famílias, igualmente!

Tudo quanto sente sem saber porquê!

Tudo quanto vive sem pensar que vive!

Tudo que acaba e nunca se aumenta com nada,

Sabendo, melhor que eu, que nada há que temer,

Que nada é fim, que nada é abismo, que nada é mistério,

E que tudo é Deus, e que tudo é Ser, e que tudo é Vida.


Ah, estou liberto!

Ah, quebrei todas

As algemas do pensamento.

Eu, o claustro e a cave voluntários de mim mesmo,

Eu o próprio abismo que sonhei,

Eu, que vi em tudo caminhos e atalhos de sombra

E a sombra e os caminhos e os atalhos eram eu!

Ah, estou liberto...

Mestre Caeiro, voltei à tua casa do monte

E vi o mesmo que vias, mas com meus olhos,

Verdadeiramente com meus olhos,

Verdadeiramente verdadeiros...

Ah vi que não há muitos abismos!


(...)


Não há abismos!

Nada é sinistro!

Não há mistério verdadeiro!

Não há mistério ou verdade!

Não há Deus, nem vida, nem alma distante da vida!

Tu, tu mestre Caeiro, tu é que tinhas razão!

Mas ainda não viste tudo; tudo é mais ainda!

Alegre cantaste a alegria de tudo,

Mas sem pensá-lo tu sentias

Que é porque a alegria de tudo é essencialmente inevitável.

Como cantaras alegre a morte futura


Se a puderas pensar como morte,

Se deveras sentiras a noite e o acabamento?

Não, não: tu sabias

Não com teu pensamento, mas com teu corpo inteiro,

Com todos os teus sentidos tão acordados ao mundo

Que não há nada que morra, que não há coisa que cesse,

Que cada momento não passa nunca,

Que a flor colhida fica sempre na haste,

Que o beijo dado é eterno,

Que na essência e universo das coisas

Tudo é alegria e sol

E só no erro e no olhar há dor e dúvida e sombra.

Embandeira em canto e rosas!


E da estação de província, do apeadeiro campestre,

— Lá vem o comboio!

Com lenços agitados, com olhos que brilham eternos

Saudemos em ouro e flores a morte que chega!


Não, não enganas!

Avó carinhosa de terra já grávida!

Madrinha disfarçada dos sentimentos expressos!


E o comboio entra na curva, mais lento, e vai parar...

E com grande explosão de todas as minhas esperanças

Meu coração universo

Inclui a ouro todos os sóis,

Borda-se a prata todas as estrelas,

Entumesce-se em flores e verduras,

E a morte que chega conclui que a já conhecem

E no seu rosto grave desabrocha

O sorriso humano de Deus!

Álvaro de Campos in Poesias de Álvaro de Campos


No poetmi desde

Avatar do autor do poema

Álvaro de Campos

O Poeta Álvaro de Campos é um dos mais importantes heterônimos de Fernando Pessoa. Segundo Fernando Pessoa nasceu em Tavira, no extremo sul de Portugal. Estudou Engenharia Naval, na Escócia. No entanto, não exerceu a profissão por não poder suportar viver confinado em escritórios.