imagem alusiva a Meu pobre amigo, não tenho compaixão que te dar.

Meu pobre amigo, não tenho compaixão que te dar.

PoetMi.com

Meu pobre amigo, não tenho compaixão que te dar.

Meu pobre amigo, não tenho compaixão que te dar.

A compaixão custa, sobretudo sincera, e em dias de chuva.

Quero dizer: custa sentir em dias de chuva.

Sintamos a chuva e deixemos a psicologia para outra espécie de céu.


Com que então problema sexual?

Mas isso depois dos quinze anos é uma indecência.

Preocupação com o sexo oposto (suponhamos) e a sua psicologia —

Mas isso é estúpido, filho.

O sexo oposto existe para ser procurado e não para ser compreendido.

O problema existe para estar resolvido e não para preocupar.

Compreender é ser impotente.

E você devia revelar-se menos.

"La Colére de Samson", conhece?

"La femme, enfant malade et [...]"

Mas não é nada disso.

Não me mace, nem me obrigue a ter pena!

Olhe: tudo é literatura.

Vem-nos tudo de fora, como a chuva.

A maneira? Se nós somos páginas aplicadas de romances?

Traduções, meu filho.

Você sabe porque está tão triste? É por causa de Platão,

Que você nunca leu.

E um soneto de Petrarca, que você desconhece, sobrou-lhe errado,

E assim é a vida.

Arregace as mangas da camisa civilizada

E cave terras exactas!

Mais vale isso que ter a alma dos outros.

Não somos senão fantasmas de fantasmas,

E a paisagem hoje ajuda muito pouco.

Tudo é geograficamente exterior.

A chuva cai por uma lei natural

E a humanidade ama porque ama falar no amor.

Álvaro de Campos in Poesias de Álvaro de Campos


No poetmi desde

Avatar do autor do poema

Álvaro de Campos

O Poeta Álvaro de Campos é um dos mais importantes heterônimos de Fernando Pessoa. Segundo Fernando Pessoa nasceu em Tavira, no extremo sul de Portugal. Estudou Engenharia Naval, na Escócia. No entanto, não exerceu a profissão por não poder suportar viver confinado em escritórios.