imagem alusiva a II - Dói viver, nada sou que valha ser.

II - Dói viver, nada sou que valha ser.

PoetMi.com

II - Dói viver, nada sou que valha ser.

II


Dói viver, nada sou que valha ser.

Tardo-me porque penso e tudo rui.

Tento saber, porque tentar é ser.

Longe de isto ser tudo, tudo flui.


Mágoa que, indiferente, faz viver.

Névoa que, diferente, em tudo influi.

O exílio nada do que foi sequer

Ilude, fixa, dá, faz ou possui.


Assim, nocturna, a áreas indecisas,

O prelúdio perdido traz à mente

O que das ilhas mortas foi só brisas,


E o que a memória análoga dedica

Ao sonho, e onde, lua na corrente,

Não passa o sonho e a água inútil fica.

Fernando Pessoa in Poesias Inéditas


No poetmi desde

Avatar do autor do poema

Fernando Pessoa

Escritor, Poeta e Filósofo Fernando Pessoa deixou-nos inúmeros poemas e reflexões tanto em seu nome como nos de seu heterônimos.