imagem alusiva a Hela hoho, helahoho!

Hela hoho, helahoho!

PoetMi.com

Hela hoho, helahoho!

[I]


Hela hoho, helahoho!

Desfilam diante de mim as civilizações guerreiras...

Numa manhã triunfal,

Numa longa linha como que pintada em minha alma ,

Sucessivamente, indeterminadamente,

Couraças, lanças, capacetes brilhando,

Escudos virados para mim,

Viseiras caídas, cotas de malha ,

Os prélios, as justas, os combates, as emboscadas.

Archeiros de Crecy e de Azincourt!

[Armas de Arras?].


E tudo é uma poeira incerta, uma nuvem de gente anónima

Que o vento da estratégia levanta em [formas divinas?],

E em ondas sopra entre os meus olhos atentos

E o Sol da verdade eterna, e a encobre sinistramente.


Marcha triunfal, onde a um tempo e não a um tempo,

Onde numa simultaneidade por transparências uns de outros,

Surgem, aparecem, aglomeram-se em minha consciência,

Os guerreiros de todos os tempos, os soldados de todas as raças,

As couraças de todas as origens,

As armas brancas de todas as forjas,

As hostes compostas de usos marciais de todos os exércitos.

Álvaro de Campos in Poesias de Álvaro de Campos


No poetmi desde

Avatar do autor do poema

Álvaro de Campos

O Poeta Álvaro de Campos é um dos mais importantes heterônimos de Fernando Pessoa. Segundo Fernando Pessoa nasceu em Tavira, no extremo sul de Portugal. Estudou Engenharia Naval, na Escócia. No entanto, não exerceu a profissão por não poder suportar viver confinado em escritórios.