imagem alusiva a Depois de não ter dormido,

Depois de não ter dormido,

PoetMi.com

Depois de não ter dormido,

Depois de não ter dormido,

Depois de já não ter sono,

Interminável madrugada em que se pensa sempre sem se pensar,

Vi o dia vir

Como a pior das maldições —

A condenação ao mesmo


Contudo, que riqueza de azul verde e amarelo dourado de vermelho

No céu eternamente longínquo —

Nesse oriente que estragaram

Dizendo que vêm de lá as civilizações;

Nesse oriente que nos roubaram

Com o Conto do Vigário dos mitos solares,

Maravilhoso oriente sem civilizações nem mitos,

Simplesmente céu e luz,

Material sem materialidade...

Todo luz, mesmo assim

A sombra, que é a luz da noite dada ao dia,

Enche por vezes, irresistivelmente natural.

O grande silêncio do trigo sem vento,

O verdor esbatido dos campos afastados,

A vida e o sentimento da vida.

A manhã inunda toda a cidade.

Meus olhos pesados do sono que não tivestes,

Que amanhã inundará o que está por trás de vós.

Que é vós,

Que sou eu?

Álvaro de Campos in Poesias de Álvaro de Campos


No poetmi desde

Avatar do autor do poema

Álvaro de Campos

O Poeta Álvaro de Campos é um dos mais importantes heterônimos de Fernando Pessoa. Segundo Fernando Pessoa nasceu em Tavira, no extremo sul de Portugal. Estudou Engenharia Naval, na Escócia. No entanto, não exerceu a profissão por não poder suportar viver confinado em escritórios.