imagem alusiva a A Concha e a Virgem

A Concha e a Virgem

PoetMi.com

A Concha e a Virgem

Linda concha que passava,

Boiando por sobre o mar,

Junto a uma rocha, onde estava

Triste donzela a pensar,


Perguntou-lhe: — "Virgem bela,

Que fazes no teu cismar?"

— "E tu", pergunta a donzela,

"Que fazes no teu vagar?"


Responde a concha: — "Formada

Por estas águas do mar,

Sou pelas águas levada,

Nem sei onde vou parar!"


Responde a virgem sentida,

Que estava triste a pensar:

— "Eu também vago na vida,

Como tu vagas no mar!


"Vais duma a outra das vagas,

Eu dum a outro cismar;

Tu indolente divagas,

Eu sofro triste a cantar.


"Vais onde te leva a sorte,

Eu, onde me leva Deus:

Buscas a vida, — eu a morte;

Buscas a terra, — eu os céus!



No poetmi desde

Avatar do autor do poema

Gonçalves Dias

Antônio Gonçalves Dias foi um poeta, advogado, jornalista, etnógrafo e teatrólogo brasileiro. Um grande expoente do romantismo brasileiro. Filho de um comerciante português e uma mestiça viveu em um meio social conturbado. Em 1862, Gonçalves Dias foi para a Europa para tratamento de saúde. Sem resultados embarcou de volta no dia 10 de setembro de 1864, porém o navio francês Ville de Boulogne em que viajava, naufragou perto do Farol de Itacolomi, onde o poeta faleceu com 41 anos de idade.