imagem alusiva a A coisa estranha e muda em todo o corpo,

A coisa estranha e muda em todo o corpo,

PoetMi.com

A coisa estranha e muda em todo o corpo,

A coisa estranha e muda em todo o corpo,

Que está ali, ebúrnea, no caixão,

O corpo humano que não é corpo humano

Que ali se cala em todo o ambiente;

O cais deserto que ali aguarda o incógnito

O assombro álgido ali entreabrindo

A porta suprema e invisível;

O nexo incompreensível

Entre a energia e a vida,

Ali janela para a noite infinita...

Ele — o cadáver do outro,

Evoca-me do futuro

[Eu próprio dois?], ou nem assim...

E embandeiro em arco a negro as minhas esperanças

Minha fé cambaleia como uma paisagem de bêbedo,

Meus projectos tocam um muro infinito até infinito.

Álvaro de Campos in Poesias de Álvaro de Campos


No poetmi desde

Avatar do autor do poema

Álvaro de Campos

O Poeta Álvaro de Campos é um dos mais importantes heterônimos de Fernando Pessoa. Segundo Fernando Pessoa nasceu em Tavira, no extremo sul de Portugal. Estudou Engenharia Naval, na Escócia. No entanto, não exerceu a profissão por não poder suportar viver confinado em escritórios.